Tecnologia & Meio ambiente

11 perguntas que os cientistas (ainda) não conseguem responder – Parte 2

Tudo sobre misteriosos fenômenos, como a cura pela fé, o fim do mundo e a premonição, que ainda desafiam o conhecimento humano

2. Quando começa a vida?

img2.jpg

A polêmica sobre a questão é tão intensa que até hoje a ciência não conseguiu chegar a uma única resposta. São diversas as teses a espeito do exato momento em que se inicia a vida humana. Durante a Idade Média, imperava a teoria de que ela só começava no instante do nascimento. Hoje, essa ideia é totalmente descartada. As mais aceitas – e discutidas – pela comunidade científica afirmam que a vida começa…

 img3.jpg

3. Quanto usamos do nosso cérebro?

img5.jpg

Quando o assunto é a capacidade do nosso cérebro, uma pergunta sempre vem à tona: como alcançar 100% de seu potencial? Por muito tempo, acreditou-se que usávamos apenas a décima parte da capacidade cerebral. Com 90% de inatividade, certamente teríamos um grande terreno a ser desbravado. Hoje, já é sabido que isso não passa de um mito surgido entre os cientistas no início do século XX.

O fato é que, até agora, a ciência não sabe precisamente quanto utilizamos o nosso potencial cerebral. “Embora existam especulações sobre o assunto, já sabemos, graças ao estudo de imagens funcionais do órgão, que nos valemos de todas as suas áreas, de maneiras diferentes”, afirma a neurocientista Suzana Herculano-Houzel. “Mas percentual que utilizamos ainda é uma incógnita.” De acordo com pesquisas do Laboratório de Neuroanatomia Comparada da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o cérebro humano possui em média 86 bilhões de neurônios e 85 bilhões de células não neuronais.

“O fato de os neurônios corresponderem à metade do cérebro não significa que sua capacidade esteja reduzida à metade”, diz Suzana. Saber que a máquina cerebral funciona a todo vapor e se utiliza de todas as ferramentas disponíveis não descarta, no entanto, o fato de que o cérebro, a exemplo do que podemos fazer com os músculos, deva – e precise – ser exercitado. “O sistema nervoso se molda de acordo com a estimulação ambiental”, diz Gilberto Fernando Xavier, pesquisador do Laboratório de Neurociência e Comportamento da USP.

A verdade é que o cérebro humano ainda é um terreno misterioso. “Não sabemos, por exemplo, como bilhões de neurônios, que funcionam de maneira integrada, podem fazer maravilhas como a pintura e a música e, infelizmente, também as armas e a guerra.”

Parte 3