Artes Visuais

Sonho estrangeiro

MELANIE SMITH - WALL-EYED/ Galeria Nara Roesler, SP/ até 13/9

Sonho estrangeiro

img.jpg 

Localizada numa zona montanhosa do México, a cidade de Xilitla foi o local escolhido pelo aristocrata e escritor britânico Edward James para dar vazão a sua estranha obsessão pela arte surrealista. De temperamento excêntrico, James gastou parte de sua fortuna para criar, em meio à exuberante vegetação da Sierra Madre mexicana, uma construção opulenta e de estranhas formações. Las Pozas, como ficaram conhecidas essas estruturas arquitetônicas de concreto, seriam “a busca final pelo jardim do Éden”, confidenciou certa vez o milionário.

A construção de Las Pozas durou 40 anos e foi finalizada em 1984. Cerca de 30 anos depois, Xilitla seria visitada por uma compatriota de James: a artista Melanie Smith, radicada no México desde 1989. Em “Xilitla – Incidentes fora do Eixo” ela realiza uma série investigativa pelas construções de James. O resultado integra a exposição “Wall-Eyed”, em São Paulo.

Segundo Paola Santoscoyo, responsável pela curadoria da mostra e também curadora adjunta da 8ª Bienal do Mercosul, o termo wall-eyed se refere ao desalinhamento de um olho em relação ao outro. Aplicado à arte, representa uma perspectiva não alinhada, diversa à visão renascentista dirigida a um só ponto. A curadora argumenta que essa disfunção do olhar é transferida por Melanie Smith às fotografias, telas e aos registros audiovisuais. No filme em 35 mm, a câmera segue um grupo de trabalhadores de Las Pozas que carregam um espelho. A câmera é fixada no espelho que passeia por diferentes lugares e monumentos. À medida que seus reflexos são captados, a apreensão da paisagem se torna cada vez mais fragmentada, exaltando as estranhezas do lugar. A artista, que representa o México na Bienal de Veneza deste ano, ficou conhecida por mostrar em seus trabalhos o caos urbano do México. Na série sobre Xilitla, ela tenta apresentar as multiplicidades e nuances de um mundo onírico saído da mente de outro estrangeiro. O público brasileiro poderá conhecer mais sobre a obra de Melanie Smith na 8ª Bienal do Mercosul, que acontece em Porto Alegre a partir de 10 de setembro.