A semana

Caras pintadas saem às ruas pelo fim da Lei da Anistia

Caras pintadas saem às ruas pelo fim da Lei da Anistia

Há como réus um coronel reformado do Exército e uma lei fantasmagórica no processo que familiares do ex-guerrilheiro Luiz Merlino tocam para a frente 40 anos após a sua morte nos porões da ditadura militar no Brasil. Na quarta-feira 27 deu-se a primeira audiência em São Paulo. O réu em pessoa é Carlos Alberto Brilhante Ustra, acusado de ter torturado e matado Merlino nas dependências do famigerado DOI-Codi. O réu invisível é a própria Lei de Anistia que de forma esdrúxula contemplou no Brasil perseguidos políticos e torturadores – jovens caras-pintadas (foto) foram à porta do fórum exigir a revisão dessa lei. A família de Merlino não quer indenização, quer apenas o desmonte da farsa de que o preso morreu atropelado porque tentara fugir. Ustra arrolou gente graúda em sua defesa, mas, de saída, perdeu. Queria o presidente do Senado, José Sarney, depondo a favor da Lei de Anistia. Sarney disse que não vai.