Comportamento

Crianças superprotegidas

Produtos blindam os pequenos de acidentes, o que pode prejudicar a capacidade deles de aprender

Crianças superprotegidas

img.jpg 

 

A indústria de produtos voltados para a segurança infantil cresce em ritmo alucinado no mundo. Com isso, vai longe o tempo em que se resumiam a protetores de tomada e cadeirinhas para carros – comprovadamente necessários para evitar acidentes graves. Há uma leva de novos itens: capacetes e joelheiras para bebês em fase de engatinhar, coleiras, alarmes que avisam os pais quando a criança ultrapassa os limites considerados seguros na casa e até dispositivos que soam diante de um xixi na calça. Ao mesmo tempo em que trazem mais tranquilidade aos pais, os produtos podem dificultar o aprendizado e retardar o desenvolvimento dos pequenos. Por isso, dividem opiniões. “Bebês devem ser assistidos e crianças, além de observadas, devem ser ensinadas sobre os riscos e saber obedecer”, resume Alessandra Françoia, da ONG Criança Segura. Na opinião dela, quando isso acontece, capacetes, coleiras e alarmes são totalmente dispensáveis.

grafico.jpg

 

Sucesso nos EUA e cada vez mais comum no Brasil, a coleira para crianças é encontrada no País há dois anos. Segundo a responsável pela compra de produtos da loja BMart, Sheila Araújo, a aceitação da coleira entre os brasileiros aumentou com a chegada do produto na versão mochila de bichinho com cinto. “A mochila não ofende”, diz Sheila. A empresária Wanda Machado comprou uma, em forma de macaco com cinto, para o neto quando ele tinha 3 anos e se perdeu na Disney. Hoje, ela usa em lugares cheios de gente. “Ele não para e gosta de se esconder”, diz ela, que se acostumou com olhares de estranheza. “Podem falar o que quiserem, o importante é que meu neto está do meu lado.”

Para especialistas, o uso eventual não é prejudicial, o problema é a utilização frequente. “Se os pais precisam sempre de uma coleira para manter o filho ao lado, eles estão com graves questões de comunicação”, diz o pediatra Ricardo Halpern. Já o capacete e a joelheira para bebês são considerados um exagero. Alessandra, da ONG Criança Segura, explica que quando a criança cai da sua altura raramente se machuca gravemente. “É lamentável, mas muitos pais preferem substituir o seu olhar por equipamentos como esse”, afirma.
As maiores críticas recaem sobre o dispositivo sonoro que é colocado na cueca ou na calcinha de meninos e meninas e emite um alarme ao sinal da primeira gota de urina. O produto foi desenvolvido para quem sofre de enurese noturna. Porém, vem sendo usado em crianças recém-desfraldadas para evitar que fiquem molhadas. O pediatra Halpern condena a medida. “O certo é os pais ensinarem a criança a deixar a fralda e a usar o banheiro”, diz ele, frisando que o alarme pode traumatizar. A criança aprende a partir de erros e acertos. Fazer xixi na calça faz parte do aprendizado e contribui para o seu desenvolvimento. 

grafico2.jpg