Gente

“WikiLeaks, patético”

Andrea Matarazzo, secretário da Cultura do Estado de São Paulo, tem a frase na ponta da língua

“WikiLeaks, patético”

GENTE-03-IE-2160.jpg

 

Andrea Matarazzo, secretário da Cultura do Estado de São Paulo, tem a frase na ponta da língua: “Levar cultura a quem não tem acesso é minha prioridade.” Mas, no último mês, suas ações culturais dividiram espaço no noticiário com o WikiLeaks. O tucano virou alvo do polêmico site. Na segunda-feira 28, o parceiro do WikiLeaks no Brasil divulgou que, em 2007, Matarazzo teria dito ao cônsul-geral dos Estados Unidos, Thomas White, que o prefeito Gilberto Kassab é “apêndice” do PSDB. Antes, o site atribuiu a ele frase de que o governador Geraldo Alckmin pertencia à Opus Dei:

Como vê o WikiLeaks?
Transformar este negócio patético em oráculo da verdade não é bom jornalismo. Quando se lê uma notícia de vazamento, pressupõe-se que houve uma reunião entre duas pessoas e uma falou para a outra ipsis litteris o que está escrito. Telegramas diplomáticos são feitos por funcionários da embaixada. Já fui embaixador, sei como funciona. Ninguém questiona se o sujeito fala a língua e em que idioma foi a conversa. Nunca se pergunta se quem ouviu acrescentou ou omitiu informações. A notícia aparece como se tivessem gravado na memória as vírgulas e os pontos. Não questionam o interesse do outro lado, no caso, o americano, nem o contexto.

O sr . negou ter dito que Alckmin pertencia à Opus Dei.
Não costumo mencionar isso, por princípio. A interpretação foi do jornalista. Setenta por cento da minha família faz parte da Opus Dei. Sou católico praticante, não sou da Opus Dei. Cada um com sua fé. E por que a entonação deve ser negativa?

Como está o trabalho à frente da secretaria?
No final do ano fizemos o piloto do projeto de uma turnê do pianista Marcelo Bratke por presídios do Estado em 2011. Já se apresentou em duas penitenciárias femininas. Foi emocionante. Seguindo o conceito de horizontalizar cultura, faremos parcerias com municípios para expor parte do acervo da Pinacoteca do Estado. Botucatu será a primeira a receber as obras.