Tecnologia & Meio ambiente

O carro do futuro será de plástico

Essa é apenas uma das tendências no setor automotivo, que fica ainda mais verde graças a baterias com maior autonomia e a reciclagem de combustíveis

O carro do futuro será de plástico

img2.jpg
CONCEITO
As carrocerias dos quatro protótipos nas fotos foram feitas inteiramente com plástico

A última semana revelou novas perspectivas para que a indústria automotiva consiga se adaptar às exigências ambientais do consumidor moderno. Carros mais leves, com menor consumo de energia e maior rendimento e durabilidade, são tendência para os próximos anos, mas ainda não existe um modelo claro para a construção do primeiro carro popular ecológico. A tecnologia para que o objetivo seja alcançado encontra-se em plena fase de desenvolvimento e montadoras do mundo inteiro expõem suas melhores propostas em carros-conceito. Mesmo as marcas menores têm uma chance de crescimento graças à inovação: as melhores ideias podem partir de coisas tão simples e cotidianas quanto uma casca de banana.

O professor Alcides Leão, da Unesp, é um dos nomes que podem ajudar a reinventar a indústria automotiva. Ph.D. em ciência florestal pela Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, Leão e seus alunos desenvolveram em laboratório uma fibra de nanocelulose quase tão resistente quanto o Kevlar (usado em coletes à prova de bala), e até 30% mais leve. “São como membranas orgânicas que juntam dois materiais de características diferentes em um só, mais econômico e resistente”, explica Vitor Surian Gamba, mestrando em ciência florestal sob a tutela do professor Leão. O polímero combina fibras vegetais de plantas como a banana e o abacaxi a elementos plásticos derivados do petróleo, tornando-os até quatro vezes mais resistentes. O polímero foi apresentado no último dia 27, no 241º Encontro da Sociedade Química Americana, em Anaheim, no Estado da Califórnia.

O material tem tudo para substituir peças de alumínio e aço, tomando praticamente toda a estrutura dos veículos. Mas as inovações não ficam apenas do lado de fora: cientistas em lugares tão diferentes quanto Roma e o Estado americano de Illinois trabalham para desenvolver um novo modelo de bateria mais eficiente para os carros elétricos – que vivem um boom nos Estados Unidos, na Europa e em alguns países asiáticos. As novas baterias de Lítio-ion (Li-ion, mesmo material usado em aparelhos como celulares e laptops) prometem cargas mais rápidas e eficientes, garantindo maior autonomia para os veículos elétricos e reduzindo a dependência de combustíveis fósseis. Chamadas de “baterias de alta performance”, elas ainda vão ajudar a reduzir o consumo de energia dentro de casa, garantindo cargas mais rápidas em eletrônicos domésticos.

img1.jpg

img.jpg
REALIDADE
Na foto acima, motorista recarrega a bateria de seu carro
em São Francisco; abaixo, chinesa faz o mesmo em Xiamen

Com uma proposta mais imediata para redução de danos, cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, apresentaram também na conferência da ACS um novo método para converter o óleo de motor usado em combustível limpo. A técnica de reciclagem usa aquecimento por micro-ondas, transformando o óleo (misturado com um material absorvente) em gases e líquidos reutilizáveis. O processo não é novo, mas passa a tornar se muito mais eficiente, reduzindo a emissão de poluentes na atmosfera. Anualmente, são despejados no meio ambiente cerca de 30 bilhões de litros de óleo de motor usado. Parte dele é convertida em combustível para aquecimento de edifícios, ou re-refinado como lubrificante mais uma vez. “De qualquer forma, ambos os usos estão longe do ideal, devido à poluição causada pela queima do óleo”, diz o pesquisador-chefe do projeto, Howard Chase.

A nova tendência de mercado ainda engatinha, com diversos projetos nunca saindo da fase de conceito e desenvolvimento. Por enquanto, ainda chegam ao consumidor final apenas reinterpretações de tecnologias conhecidas, que buscam reduzir o consumo de combustível a partir de peças mais leves e motores mais eficientes – quase sempre sacrificando o desempenho do carro, que acaba enquadrado em nichos de mercado específicos de consumidores urbanos.

Novidades como o plástico reforçado com fibra de carbono (CFRP), já utilizado em carrocerias de automóveis de luxo, ainda devem levar algum tempo para chegar às linhas de montagem de todo o mundo – mesmo após evoluções como a apresentada pela montadora japonesa Teijin, que revelou no começo de março um novo modelo para a produção em massa do material. O carro-conceito da Teijin é praticamente um esqueleto de automóvel, com cabine pesando apenas 47 kg (cerca de um quinto do peso de uma cabine tradicional) e usando bateria com 100 quilômetros de autonomia.

img3.jpg