Mundo

A epidemia da liberdade – Parte 2

Como um saudável vírus, protestos contra ditaduras espalham-se pelo mundo árabe, causando transformações em uma região marcada pela repressão, a pobreza e a brutalidade

 O mais notável nas revoluções árabes é que elas são movimentos genuinamente populares. Em nenhum dos países assolados até agora pela onda libertária surgiu uma oposição coordenada, uma liderança clara. “Liberdade, trabalho e dignidade nacional são as palavras de ordem nos protestos. Isso mostra que não se trata apenas de uma questão de democracia, mas de justiça social”, afirmou à ISTOÉ o economista tunisiano Saïd Kechida. “Na América Latina também há pobreza e alguns países têm democracias frágeis, mas você não vê revolta porque as pessoas não têm medo de expressar suas ideias sob o risco de serem presas ou mortas”, concorda o analista iraniano Meir Javedanfar. Enquanto a população anseia por uma vida melhor, os déspotas já vinham ensaiando uma sucessão geracional. No Egito, Hosni Mubarak se preparava para passar o poder ao filho Gamal, enquanto na Líbia os filhos de Kadafi travavam uma disputa para suceder o pai. Marrocos e Síria, que fizeram essa transição em 1999 e 2000, respectivamente, parecem ter agora mais margem de manobra para reagir às pressões populares. Mas não estão livres de pressões. Porém, isso não significa muita coisa. “Nenhum país árabe está ao abrigo dos movimentos de protesto, com suas reivindicações. Na verdade, o povo se sente lesado diante de poderes absolutos e da falta de liberdades mínimas”, avalia Riad Wahwaji, do Instituto de Análises Militares do Oriente Médio e do Golfo (Inegma).

Mas a derrubada desses regimes ditatoriais por si só não resolve o problema. O vácuo deixado por líderes que estão há tanto tempo no poder não é fácil de ser preenchido, já que a oposição também está dispersa, isso quando ainda existe depois de décadas de repressão. É grande, aliás, a chance de que as elites associadas aos antigos ditadores permaneçam no controle do Estado, como é possível perceber nos processos de transição na Tunísia e no Egito. Para o analista egípcio, Amr Hamzawy, “a renúncia de ditadores como Mubarak e Ben Ali é apenas o ‘primeiro passo’ para o sucesso da revolução, que deve ser sucedido por uma reforma estrutural que pavimente o caminho para a democracia”. Uma coisa é certa: os árabes estão se acostumando com algo novo, e ainda terão que aprender a conviver com novas liberdades e lutar contra o veneno das religiões.

Certo também é que os interesses americanos e europeus em petróleo e gás permanecerão inalterados, dada a sua dependência, seja qual for o regime. Mas o grau de imprevisibilidade agora é altíssimo. Se as ditaduras atuais pecaram pela abertura dos mercados ao capital e pela corrupção, não é difícil imaginar que ideários nacionalistas ressurjam com força. Uma unidade regional, no entanto, dependerá do alcance da revolução e a ideia de um pan-arabismo idealizado pelo antecessor de Mubarak no Egito, Gamal Nasser, não parece fazer a cabeça da nova geração. “Acho que será mais uma questão de encontrar um caminho pragmático e equilibrado para lidar com os interesses nacionais ao patrocinar os interesses-chaves do mundo árabe”, avalia o tunisiano Saïd Kechida. Daí a preocupação no governo de Israel, que teme o isolamento com a eventual vitória de forças políticas muçulmanas em futuras eleições. Tel-Aviv tinha no governo de Hosni Mubarak seu grande aliado na região. “A revolução no Egito destrói a tranquilidade estratégica de Israel no Oriente Médio”, afirma Itamar Eichner. No sentido inverso, o Irã de Ahmadinejad poderá se beneficiar dessa nova conjuntura. “Os ex-amigos dos Estados Unidos e de Israel podem virar amigos do Irã, a menos que o espírito revolucionário ponha em xeque a república islâmica”, diz o analista iraniano Meir Javedanfar.

img4.jpg
RECUO
Após violenta repressão, governo
do Barhein liberta presos políticos

Até agora as grandes potências ocidentais estão acompanhando de longe os acontecimentos na região. Por mais que os ditadores tentem fazer crer que os levantes foram orquestrados por forças externas, são poucos os indícios de uma ação direta das agências de inteligência dos Estados Unidos ou de países europeus no fomento às revoltas. Na verdade, a explosão popular no norte da África e no Oriente Médio parece ter pego de surpresa o mundo ocidental. Só na sexta-feira 25, Estados Unidos e União Europeia deram sinais de que pretendiam abandonar a retórica e partir para ações concretas na tentativa de minimizar o banho de sangue que vem manchando as ruas das principais cidades líbias. Com boa parte dos seus cidadãos já evacuados do caos que toma conta do país, Estados Unidos e Inglaterra começaram a considerar a possibilidade de criar uma zona de exclusão aérea na Líbia para impedir novos ataques com aviões militares contra cidadãos desarmados e tentar conter a entrada de milhares de mercenários de países vizinhos contratados por Kadafi.

img1.jpg
FUGA
Milhares de estrangeiros tentam desesperadamente deixar a Líbia

Assim como a condescendência ocidental com os abusos de ditadores como Kadafi foi longa demais, a demora por ações concretas contra o massacre do povo líbio parece também ter sido demasiada. Na tarde da sexta-feira a Líbia já se encontrava praticamente em estado de sangrenta guerra civil. Sem controle de uma vasta porção oriental do país e perdendo espaço no oeste de Trípoli, Kadafi parecia não mostrar nenhum tipo de limite para manter o controle de sua capital. Com mercenários trazidos dos vizinhos Chad, Sudão e Níger, instalou um regime de terror em Trípoli. Quem saísse às ruas era morto pelos milicianos leais ao ditador. Na sexta-feira, logo após as orações, manifestantes tentaram reunir-se na entrada das principais mesquitas da cidade, mas foram brutalmente atacados. O mesmo aconteceu nos dias anteriores em cidades próximas à capital, quando novos ataques aéreos foram registrados. Enquanto isso, parte das Forças Armadas se juntou ao povo e começava a armar populares para tentar tomar a capital no fim de semana. Poucos duvidam que Kadafi sucumbirá, mas dificilmente isso ocorrerá sem a morte de milhares de pessoas. Assim como o ditador se transformou num símbolo da opressão dos líderes árabes a seu povo, o banho de sangue que marcará sua queda será também um símbolo da reticência da comunidade internacional em agir contra déspotas que não se importam em perpetrar crimes contra a humanidade para manter a todo custo o poder.

img7.jpg 

img8.jpg

G_mundo-arabe.jpg

 

Colaboraram: Bruna Cavalcanti e Rafael Teixeira