Cultura

Paparazzi de blockbuster

Odiados pelos produtores que guardam segredos e amados pelos fãs que gostam de fofocas, os fotógrafos invasores de sets promovem os filmes que "furam"

Paparazzi de blockbuster

img2.jpg

chamada.jpg

img1.jpg
EM AÇÃO
A nova roupa do Homem-Aranha, o beijo de “Amanhecer”
e Nascimento em “Tropa de Elite 2”: vazamento

A indústria do cinema os trata como verdadeiros espiões. Quem espera ansiosamente a estreia de um filme, os recebe com um misto de amor e ódio. Eles são os papparazi de blockbuster, uma nova modalidade de fotógrafo especializado em invadir set de filmagens e cujo prestígio cresce cada vez mais no mundo do entretenimento. Ao mesmo tempo que revelam novidades sobre uma aguardada superprodução, esses profissionais também se comportam como verdadeiros desmancha-prazeres ao revelar detalhes-chaves da história, os chamados “spoilers”. Exemplos recentes de suas atividades invasivas alcançaram resultados virais com a divulgação de imagens secretas dos filmes “Sherlock Holmes 2” e “The Amazing Spider-Man”, previstos para chegar aos cinemas só em 2012. Os espectadores já sabem, por exemplo, que a personagem da atriz Rachel McAdms, o par romântico de Holmes, vai estar na continuação da aventura, ao contrário do anunciado antes. E já conhecem também o design do novo uniforme do Homem-Aranha, uma das surpresas do novo blockbuster da série. Não são apenas os fotógrafos, com suas possantes teleobjetivas, que têm conseguido burlar o muro de sigilo que cerca Hollywood. Os cinegrafistas de programas televisivos já descobriram o novo filão de notícias.
A prática, muito difundida lá fora, começa a ser bastante incentivada no Brasil.

img.jpg
“O foco do nosso trabalho
ainda é a celebridade em si”

Fausto Candelária, fotógrafo

A ação dos paparazzi brasileiros difere um pouco do padrão: eles buscam flagrar a estrela, enquanto em outros países a intenção é revelar os bastidores da produção.
“O foco ainda é a celebridade em si”, diz Fausto Candelária, há 15 anos na atividade. “Talvez no futuro isso mude mas, por enquanto, não vejo uma tendência”, completa Chico Silva, dono da agência Agnews. Foi o que se deu com as filmagens de “Amanhecer”, terceira parte da saga “Crepúsculo”, que teve parte da história rodada no Estado do Rio de Janeiro. Para que nada fosse revelado, diversas medidas foram tomadas – de rígido controle de todos os envolvidos até o confisco de celulares com câmeras. De nada valeram: ainda que o material vazado não revelasse nada de relevante sobre a trama, os fãs se deliciaram quando o programa “Pânico na TV!” mostrou o elenco e a equipe técnica em trabalho numa casa na cidade de Paraty, um dos cenários de “Amanhecer”. Para Sérgio Sá Leitão, presidente da Riofilme, a prática não demora a colar entre as produções nacionais: “É cada vez maior o número de blockbusters e continuações em nosso cinema e, à medida que isso acontece, muda-se a relação entre o cinéfilo e os filmes.” O exemplo mais eloquente se deu com “Tropa de Elite 2”, alvo de toda a atenção. E, também nesse caso, o vazamento de imagens só fez bem à sua carreira comercial.

img3.jpg