Cultura

Balada a sete palmos

O humor negro de Tim Burton volta afiado em A noiva-cadáver

Personagens bizarros, cenários e figurinos extravagantes e muito, mas muito humor negro são ingredientes indispensáveis na receita de cinema de Tim Burton. Assim foi em Edward mãos de tesoura, em Peixe grande e suas histórias maravilhosas e, mais recentemente, em A fantástica fábrica de chocolate. Mesmo uma animação que leva a assinatura do diretor não poderia ser diferente. A noiva-cadáver (Corpse bride, Estados Unidos, 2005), com estréia nacional na sexta-feira 21, segue à risca o estilo: é engraçado e gracioso, mas sombrio. O desenho foi feito simultaneamente ao filme A fantástica fábrica de chocolate. Era só se desfazer de seu Willy Wonka para Johnny Depp, ícone dos trabalhos de Tim Burton, correr para o estúdio e dar voz ao boneco de massinha Victor Van Dort. O mesmo aconteceu com a bela Helena Bonham Carter, mulher do diretor e dona das falas da personagem-título.

Inspirado em uma lenda russa, A noiva-cadáver conta como o atrapalhado Victor
se casa acidentalmente com uma garota morta. Filho de novos-ricos ávidos por ascensão social, ele é obrigado pelos pais a embarcar num casamento arranjado com a herdeira de uma família de prestígio, mas falida. Na noite anterior à cerimônia, o rapaz ensaia os votos matrimoniais próximo de um cemitério. Justo onde está enterrada Emily, noiva assassinada na noite do enlace. A alma penada ouve
Victor, entende que aquele é o amor esperado durante séculos e o arrasta
para o mundo dos mortos.

Seria macabro não fosse a visão de Burton sobre a morte. Na terra dos defuntos o clima é bem mais alegre e colorido que o depressivo e cinzento mundo dos vivos. Os “recém-chegados” são recebidos com festa em um bar de jazz lotado de cadáveres apodrecidos e caveiras dançarinas. Sendo assim, não fica lá muito difícil para Victor se adaptar aos sete palmos e até enxergar certa beleza em sua noiva. Mesmo estando ela em estado de putrefação. Essa não é a primeira vez que o diretor trata o outro lado com humor, ainda que ácido. Em Os fantasmas se divertem (1988), o filme que definiu o estilo de Tim Burton, o personagem Beetlejuice, vivido por Michael Keaton, era o anfitrião debochado das almas do casal Adam (Alec Baldwin) e Barbara (Geena Davis). O mundo do além foi pintado como uma mistura de labirinto de parque de diversão com purgatório. Como seus antecessores, A noiva-cadáver conquista adultos com certa veia sádica. Mas pode assustar criancinhas.