A semana

Cecília Coimbra, presidente do grupo Tortura Nunca Mais

Cecília Coimbra, presidente do grupo Tortura Nunca Mais

ISTOÉ – É possível que sobreviventes da guerrilha do Araguaia estejam vivendo clandestinamente?
Cecília – De jeito nenhum! A gente sabe bem as barbaridades que aconteceram lá. O Exército não permitiria que alguém sobrevivesse.
ISTOÉ – Mas o pedido de investigação não partiu de familiares?
Cecília – Diva Santana e Maria Mercês são familiares, mas não representam as famílias. A maioria é contra essa investigação.
ISTOÉ – Por quê?
Cecília – Porque é uma cortina de fumaça. Não há vontade política de investigar. O Exército sabe onde os corpos estão.