Brasil

Curto-circuito na base

Na disputa por um orçamento de quase R$ 100 bilhões, PT e PMDB entram em guerra para definir quem comandará o setor elétrico brasileiro

Curto-circuito na base

chamada.jpg 

Nos próximos dias, o governo retomará as conversas com os partidos aliados sobre o preenchimento de cargos do segundo escalão. O ministro da Casa Civil, Antônio Palocci, foi incumbido de conduzir a delicada negociação, mas, antes, precisará de muita habilidade para debelar um incêndio de proporções imprevisíveis no setor elétrico, considerado o xodó da presidente Dilma Rousseff. Os postos estratégicos da área, cujo orçamento, em 2011, soma nada menos do que R$ 99 bilhões, são alvo da cobiça de PMDB e PT, que travam uma guerra desde o início de janeiro. A queda de braço mais acirrada envolve o controle de Furnas, hoje um feudo do PMDB fluminense. De um lado da trincheira está o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que comanda a estatal desde 2007, quando o ex-prefeito Luiz Paulo Conde assumiu a presidência. E do outro lado encontram-se o PT de Minas Gerais, à frente o ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, e o do Rio de Janeiro, representado pelo atual secretário de Habitação e deputado licenciado, Jorge Bittar.

img.jpg
ESPAÇO
Pimentel lidera a ala do PT mineiro que exige
indicar os principais executivos das estatais
 

Ao longo da semana, a contenda foi alimentada pela divulgação de um dossiê produzido por engenheiros de Furnas descontentes com os desmandos na estatal, deficitária há dois anos. Bittar encarregou-se de encaminhar a denúncia ao ministro de Relações Institucionais, Luiz Sérgio. No documento, os engenheiros dizem que “a marca da gestão Eduardo Cunha é o desrespeito às leis, estatutos e regulamentos que regem o mundo corporativo”. O texto acrescenta que o atual presidente da estatal, Carlos Nadalutti, também indicado por Cunha, “aprofundou e explicitou essa interferência, comportando-se como um ajudante de ordens de seu patrocinador”. O relatório menciona ainda algumas operações heterodoxas que teriam dado prejuízo a Furnas, como a da usina da Serra do Facão. Segundo o documento, “a estatal deixou de exercer direito de compra da participação acionária da empresa Oliveira Truste, por R$ 5.000, para posteriormente comprar esse mesmo direito da empresa Serra Carioca por R$ 80 milhões”. O negócio teria favorecido o grupo Gallway, cujo diretor seria ligado a Cunha. Mas o fato de o documento elaborado por engenheiros da estatal poupar o diretor de operação, Cesar Ribeiro Zani, do grupo do petista Bittar, serviu de munição para o deputado do PMDB questionar as reais pretensões do PT. “Já estavam de plantão escalados para isso e cumprem a missão. São os assistentes dos aloprados”, disparou Cunha.

img1.jpg
FEUDO
Eduardo Cunha comanda Furnas com
mão de ferro desde 2007 e não aceita perder poder
 

Ao atacar a gestão de Cunha em Furnas, o PT, que já ocupa as diretorias de Gestão e Operações, está de olho na presidência da estatal. Um dos candidatos ao cargo foi sugerido pelo petista Fernando Pimentel. Trata-se de Marco Antônio Castello Branco, ex-presidente da Usiminas. “Temos uma posição política de que Furnas deve voltar a ser presidida por um nome técnico”, argumenta o deputado Odair Cunha, do PT mineiro. Eduardo Cunha, no entanto, não aceita abrir mão do direito de indicar o presidente da estatal. À ISTOÉ, o parlamentar confirmou que vai reunir o PMDB do Rio para apresentar um nome. Segundo duas fontes do partido, Cunha apadrinha a indicação do ex-ministro das Comunicações Hélio Costa. Ex-aliado de Cunha, Anthony Garotinho, hoje no PR, endossou a versão em seu blog. “O governo Dilma, se quer mesmo moralizar o setor, deveria pensar bem antes da nomeação de Hélio Costa, porque quem vai mandar é Eduardo Cunha.”

Apesar da pressão do PT, o Palácio do Planalto antecipou, por intermédio de Palocci, que o PMDB deve ficar com a vaga. Mas a tendência é que Cunha, que não é bem-visto no governo, perca poder na estatal. Dilma até admite uma indicação política, mas só aceitará nomes com profundo conhecimento técnico. Isso se aplica a todo o setor elétrico. Quando convidou o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, para retornar à pasta, ela exigiu que fosse feita uma faxina na área, estratégica para fornecer a energia elétrica necessária ao crescimento econômico brasileiro.

Nesse contexto, a presidência da Eletrobrás, um dos cargos mais importantes das estatais, sairá das mãos do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Ligado à própria Dilma, Flávio Decat, ex-diretor de distribuição da holding, assume o posto. Já a Eletronorte, a exemplo de Furnas, também deve permanecer com o PMDB, desde que o partido apresente nomes da área. Mas o PT não sairá de mãos abanando. As diretorias de gestão, engenharia e operações das empresas do setor têm grande chance de ficar com os apadrinhados dos petistas. Pelo visto, entre mortos e feridos na guerra do setor elétrico, sobreviverão todos. 

G_Estatais.jpg